Conheça os desafios e conceitos importantes

O que é Investment Banking? 

Investment Banking (IB) é a divisão de uma instituição financeira que presta serviços de estruturação de capital (captação de recursos) e fusões e aquisições (Mergers and Acquisitions em inglês, M&A) para governos, corporações e instituições financeiras do mundo. Os bancos de investimento atuam como intermediários entre investidores e corporações.

O termo Investment Banking comumente é utilizado para definir duas áreas de Advisory:

Estrutura de Capital e M&A. Os dois maiores bancos de investimento do Brasil, Bradesco BBI e Itaú BBA descrevem suas áreas de Investment Banking da seguinte maneira:

 

Bradesco BBI

“Assessoria na tomada de decisões estratégicas e como provedor de soluções complexas para empresas.

O Bradesco BBI, Banco de Investimento da Organização Bradesco, assessora clientes em emissões primárias e secundárias de ações, transações de fusão, aquisição e venda de ativos, estruturação e distribuição de instrumentos de dívidas, incluindo debêntures, notas promissórias, CRIs, fundos imobiliários, FIDCs e bonds, além de operações estruturadas de financiamento de empresas e projetos na modalidade Project Finance.

Como parte de um dos maiores conglomerados financeiros das Américas, o Bradesco BBI se beneficia pela incomparável capilaridade de relacionamentos, em todas as indústrias e segmentos no Brasil. Soma-se a isto, uma equipe de profissionais com alta especialização e qualificação, reconhecidos pela excelência em soluções de investment banking e mercado de capitais para o mundo corporativo, no Brasil e exterior.”

 

Itaú BBA

“Desenvolvemos relacionamentos com empresas, fundos de private equity e investidores para assessorá-los na estruturação de transações de renda variável e em fusões e aquisições.

No Mercado de Capitais, oferecemos serviços de assessoria na estruturação de ofertas públicas iniciais (IPO), ofertas públicas secundárias (follow-on) e outros produtos associados a renda variável, tais como conversíveis. Ofertas públicas nas quais o Itaú BBA atua como bookrunner são distribuídas através da corretora Itaú BBA, que detém relações com investidores nacionais e internacionais e também atua como uma estrutura de pesquisa independente.

Em fusões e aquisições, nossa equipe de especialistas presta assessoria customizada na coordenação, execução e negociação de fusões, aquisições, alienações e demais transações societárias desta natureza.”

 A área de IB e seus players enfrentaram mudanças drásticas durante o período dos anos 2000 que precederam a crise financeira global que começou em meados de 2007, quando as forças do mercado empurraram os bancos do seu papel tradicional de baixo risco, de aconselhar e intermediar, para uma posição de assumir riscos consideráveis ​​por conta própria e em nome dos clientes. Esse alto nível de riscos assumidos, combinado com a alta alavancagem, transformou a indústria durante 2008, quando várias grandes empresas faliram, grandes perdas comerciais foram registradas e muitas empresas foram forçadas a reorganizar seus negócios.

 

       As atividades de tomada de risco dos bancos de investimento foram reduzidas após grandes perdas que resultaram principalmente de ativos relacionados a hipotecas, empréstimos ruins e uma redução geral nas receitas devido à crise financeira. Isso levou a um esforço de toda a indústria para reduzir a alavancagem e uma série de novas emissões de capital. No final de 2008, cinco bancos de investimento puramente sediados nos Estados Unidos que não operavam empresas de depósito (diferentemente de grandes bancos universais como o JP Morgan, que operava um grande banco de investimentos, um banco de depósitos e outras empresas) sofreram transformações significativas: o Goldman Sachs e o Morgan Stanley converteram-se em holdings bancárias; o Federal Reserve (Fed) dos EUA empurrou o Bear Stearns para os braços do J.P. Morgan para evitar a falência; O Lehman Brothers entrou com pedido de falência após o Fed e o Departamento do Tesouro terem ignorado seus pedidos de apoio do governo; e a Merrill Lynch, presumivelmente para evitar um pedido semelhante de falência, concordou em vender sua empresa para o Bank of America.

 

       Historicamente, até 1999, bancos dos EUA que executam operações de crédito (bancos comerciais) foram impedidos de operar negócios de banco de investimento. Esta regra foi criada pela Lei Bancária Glass-Steagall de 1933, que foi promulgada após a quebra do mercado de ações em 1929 para proteger os ativos dos depositantes. Em 1999, a Lei Gramm-Leach-Bliley revogou a exigência de manter bancos de investimento e bancos comerciais separados, e levou à formação de bancos de investimento universais com sede nos EUA, incluindo J.P. Morgan, Citigroup e Bank of America. Dois dos principais argumentos para reunir esses dois tipos de negócios foram (1) fornecer um modelo de negócios mais estável e contra cíclico para esses bancos e (2) permitir que os bancos norte-americanos concorressem melhor com contrapartes internacionais (por exemplo, UBS, Credit Suisse e Deutsche Bank) que estavam menos sobrecarregados pela Lei Glass-Steagall. Como resultado, o Citigroup, criado através da fusão do Citicorp e do Travelers Group em 1998 (que detinha o banco de investimentos Salomon Brothers), não precisou alienar a Salomon Brothers para cumprir as regulamentações federais. J.P. Morgan e Bank of America seguiram o exemplo do Citigroup ao combinar negócios para criar bancos de investimento universais. Esses bancos rapidamente desenvolveram uma empresa de banco de investimento de base ampla, contratando muitos profissionais de bancos de investimento de capital puro e usando estrategicamente sua capacidade de empréstimo significativa como uma plataforma da qual puderam captar o mercado de investimentos bancários.

       Hoje, os bancos de investimento estão enfrentando um ambiente intensamente competitivo, estimulado por mudanças regulatórias, pela globalização e pelos avanços tecnológicos. Como resultado, a maioria dos bancos de investimento expandiu-se para incluir as principais atividades do mercado de capitais, as chamadas áreas correlatas que abrangem: corporate finance, corporate coverage, research, sales, trading, entre outras.

Conheça alguns Bankers

Jose Securato foto PNG.png

José Securato Jr.

Formado em Administração de Empresas pela FGV, hoje atua como MD e Sócio Fundador da Saint Paul Advisors

  • Branca Ícone LinkedIn
Pedro Juliano.jpg

Pedro Juliano

Formado em Administração Pública pela FGV, hoje atua como Head de Investment Banking Brasil do JP Morgan

  • Branca Ícone LinkedIn
Hans_lin.jpeg

Eduardo Miras

Formado em Administração de Empresas pela FGV, hoje atua como Head de Investment Banking do Citibank

  • Branca Ícone LinkedIn
Eduardo_miras.jpg

Hans Lin

Formado em engenharia mecânica pela USP, hoje atua como Managing Director de Investment Banking do Bank of America

  • Branca Ícone LinkedIn